Núcleos Museológicos . Arte e Arqueologia . Plano Museológico de Santarém
Introdução

O Plano Museológico de Santarém (PMS) é um instrumento de planificação e gestão que tem por objectivo último viabilizar a missão do Museu Municipal.

O desenvolvimento deste projecto iniciou-se no contexto do encerramento do Museu de S. João de Alporão (1992-1994). Em 4 de Março de 2000, uma síntese do plano foi remetida ao ICOMOS e à UNESCO, adiantando-se que o documento final seria remetido à aprovação da Câmara Municipal em Outubro de 2000, por ocasião da realização na cidade do XIIº Encontro Nacional de Museologia e Autarquias.
As mudanças operadas no seio do executivo municipal, conjugadas com a publicação de novos diplomas legais e a alteração de apostas estratégicas por parte dos parceiros institucionais, obrigou à reformulação do documento inicial, por forma a traduzir mais fielmente o desenvolvimento expectável num horizonte temporal de uma década.
 
Objectivos estratégicos
Para a prossecução da sua missão, o PMS prossegue objectivos estratégicos a nível orgânico, museológico, cultural e educativo, nomeadamente:
a)     Integração do tecido museológico (núcleos) em projectos de desenvolvimento cultural, em especial relacionados com o desenvolvimento integrado, que viabilizem o património enquanto recurso cultural.
b)    Estabelecimento de uma rede integrada local dos museus e núcleos concelhios, através de acordos e protocolos de cooperação com outras instituições e entidades, públicas ou privadas, que prossigam fins similares.
c)     Desenvolvimento de programas pedagógicos que articulem as iniciativas do Museu com a Escola.
d)    Apoio técnico ao nível do estudo, inventariação, classificação e restauro de bens móveis de museus ou outras entidades situadas no espaço concelhio, de modo a qualificar a iniciativa museológica global.
e)    Incentivo da participação e co-responsabilização da sociedade civil na defesa da autenticidade material, estética, histórica e construtiva-tecnológica, e da identidade e memória colectiva.
 
Objectivos actuais
a)     Enquadramento do Museu Municipal na estrutura orgânica da Câmara Municipal de Santarém.
b)    Afectação de um quadro de pessoal ao Museu Municipal de Santarém, que viabilize a gestão do património móvel e a correcta integração do património cultural concelhio (móvel e imóvel).
c)     Construção do Museu da Cidade que concentre todas as valências do ponto de vista técnico, administrativo, pedagógico e cultural
d)    Implementação de uma rede de “museus de vizinhança”, hierárquica e funcionalmente dependentes do Museu da Cidade.
e)    Implementação de iniciativas de valorização e fruição dos bens culturais móveis que são propriedade do município.
f)     Desenvolvimento de uma política de apoio à investigação científica das colecções municipais e sua divulgação no âmbito da museologia, do património e da história cultural e da arte
 

Acções em Curso

Actualmente encontra-se em curso a 2ª fase do Núcleo Museológico do Tempo, com a definição do programa, estudo e conservação das colecções, prevendo-se a sua instalação nos edifícios anexos à Torre das Cabaças, os quais vão ser objecto de um projecto arquitectónico e museológico. O projecto prevê equacionar, de uma forma histórica, técnica, artística e científica, os diversos momentos por que passaram as concepções e os instrumentos da medida do Tempo, desde a Antiguidade até Era Atómica. O objectivo principal consiste em criar um museu das concepções do tempo, das suas manifestações materiais, sociais e psicológicas, dos seus equívocos e da sua realidade trans-temporal e não tanto um museu de relojoaria.

Outra das acções em curso é a reformulação do projecto museológico da Casa Museu Braamcamp, imóvel que se assume como um espaço de grande importância no panorama cultural de Santarém, não só pela sua utilidade pública enquanto Biblioteca Municipal, mas também pelo seu vasto espólio de obras e quadros. Neste contexto, foram já instaladas três instalações interactivas que poderão dinamizar e tornar mais atractiva a utilização pública deste espaço cultural. Através da componente interactiva pretende-se que as visitantes tenham vontade de viver o espaço, saber mais sobre a sua origem e a história dos seus precursores e explorar de uma forma mais profunda as obras que nele se encontram expostas.

 
Perspectivas / Possibilidades

a) Museu Salgueiro Maia (Escola Prática de Cavalaria)

b) Museu da Gastronomia

c) Museu do Tejo - Terá uma função regional pensando na articulação dos municípios beneficiários do Vale do Tejo, com a realidade fluvial que lhes é comum. Pretende, por outro lado, ser um dos centros interpretativos da história fluvial e da paisagem e do ambiente proporcionado pela presença de um rio de enorme significado na história da região, através das suas manifestações hídricas (as cheias), geográficas (cursos do rio, mouchões, campos adjacentes) económico-sociais, técnicas (diques e valas) e culturais.

d) Museu de Arte Sacra, uma iniciativa da Diocese em colaboração com a CMS.

e) Museu da Mecanização da Agricultura do Ribatejo - Constitui uma iniciativa do CNEMA – Centro Nacional de Exposições de Agricultura do Ribatejo, que manifestou por diversas vezes vontade de desenvolver a ideia de musealizar a agricultura ribatejana e a evolução da maquinaria agrícola utilizada nos campos e lezírias do Tejo e as duas instituições reuniram já algumas colecções. 











Câmara Municipal de Santarém

procurar no site
     
Mudar fundo Fundo 1 Fundo 2

Quer receber as nossas notícias?
Registe-se

Nenhum registo encontrado.
Nenhum registo encontrado.